© Todos os Direitos Reservados. Não é permitido compartilhar o conteúdo deste Blog em outros sites. Este Blog está protegido contra cópias de seu conteúdo inteiro ou em partes. Grata pela compreensão.

8. Nirvana Upanishad (Rig Veda)



8. Nirvana Upanishad

Traduzido para o Inglês por
Prof. A. A. Ramanathan
Fonte de Consulta
Vedanta Spiritual Library
Publicado por
The Theosophical Publishing House, Chennai
Traduzido para o Português por
... uma yoginī em seva a Śrī Śiva Mahadeva ...


Karen de Witt
Brasil – RJ
Outubro/2009
___________________________

OM! Que o meu discurso seja baseado na (ou seja, de acordo com) mente;
Que minha mente seja baseada no discurso.
Oh Eu único refulgente, revele-Te para mim.
Que vocês ambos (discurso e mente) sejam os portadores do Veda para mim.
Que tudo que eu tenho ouvido não se afaste de mim.
Eu devo juntar em conjunto (ou seja, a diferença de remover) o Dia
E a noite através deste estudo.
Eu devo dizer que é verbalmente verdadeiro;
Eu devo dizer que é mentalmente verdadeiro.
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me;
Que Aquele proteja o orador (ou seja, o professor), que Aquele proteja-me;
Que Aquele proteja o orador – que Aquele proteja o orador.
OM! Haja Paz dentro de mim!
Haja Paz em meu ambiente!
Haja paz nas forças que atuam em mim!


1: Agora vamos expor o Nirvanopanishad.
2: O Paramahamsa: Eu sou Ele.
3: Os monges mendicantes que usam marcas de renuncia interiormente. (Eles são os ascetas intitulados para estudar este Upanishad).
4: (Eles são) os protetores do campo no qual o eu (indicativo da separação do Eu) é destruído.
5: Sua conclusão estabelecida é sem fragmento como o éter.
6: (Seu coração) é o rio de ondas imortais.
7: (Seu coração) é eterno e incondicionado.
8: (Seu preceptor) é o (realizado) sábio livre de dúvidas.
9: O divino ser (eles adoram é) a beatitude final.
10: Suas atividades são livres de família (e outros) laços.
11: Seu conhecimento não está isolado.
12: (Eles estudam e/ou ensinam) a escritura superior.
13: (Eles constituem) o centro de apoio monástico.
14: Sua dedicação (é revelar Brahma) para um grupo (de discípulos dignos).
15: A instrução é a não existência (de outras coisas que não Brahma).
16: Esta dedicação traz alegria e purificação (aos discípulos).
17: Sua visão é (como) visto os doze sóis.
18: Discriminação (do real do irreal) é (sua) proteção.
19: Sua aloés (babosa) compaixão é o passatempo.
20: (Eles vestem) a guirlanda de bem-aventurança.
21: Na caverna de um lugar (é) sua audiência de felicidade, livre das restrições das posturas de yoga.
22: (Eles) subsistem com alimento não preparado (especialmente para eles).
23: Sua conduta está de acordo com a realização da unicidade do Eu e Brahma (Hamsa).
24: Eles demonstram aos discípulos (por sua conduta) que Brahma está presente em todos os seres.
25: Convicção verdadeira é a sua roupa remendada. Não alinhamento é a sua tanga. Reflexão (das verdades do Vedanta) é o seu bastão simbólico. A visão de Brahma (como não diferente do Eu) é sua roupa de yoga. As sandálias (consiste em evitar contato com as coisas mundanas) riqueza. A atividade (para viver nu) a pedido de outros. Sua servidão (é somente no desejo de direcionar) a Kundalini (em Sushumna). Liberado enquanto vivo, porque são livres da negação do mais elevado (Brahma). A unicidade com Shiva é seu descanso. O conhecimento verdadeiro (por negar a alegria em Avidya) ou o Khechari mudra é sua suprema bem aventurança.
26: A (bem-aventurança de ) Brahma é livre das (três) qualidades (Sattva, Rajas e Tamas).
27: (Brahma) é realizado pela discriminação (do real do irreal) (e) que está acima do alcance da mente e da fala.
28: o mundo fenomênico, como é produzido, é impermanente (de qual só Brahma é real); ele é semelhante a um mundo visto num sonho e um elefante no céu (ou seja, é ilusório): da mesma forma, a aglomeração de coisas tais como o corpo é percebido por um entrelaçamento de uma multidão de ilusões e ele é fantasiado a existir como uma serpente em uma corda (devido ao conhecimento imperfeito)
29: O (culto dos) deuses chamado Vishnu, Brahma e uma centena de outros, culmina (em Brahma).
30: O incentivo é o caminho.
31: (O caminho) não é nulo, apenas convencional.
32: A força do Senhor Supremo (é o apoio ao caminho aéreo).
33: O yoga realizado pela verdade é o monastério.
34: A posição (paraíso) dos deuses não constitui sua natureza real.
35: A fonte principal, Brahma, é a auto-realização.
36: (O asceta) deve meditar sobre a ausência da distinção, baseado no Gayatri através do Mantra Ajapa.
37: A restrição da mente é a roupa remendada.
38: Pelo Yoga (há) a visão (experiência) da natureza da bem-aventurança eterna.
39: A bem-aventurança é a esmola que ele desfruta.
40: A residência, mesmo no cemitério grande é como num jardim de prazeres.
41: Um local solitário é o monastério.
42: A completa quietude da mente é a prática de Brahmavidya.
43: Seu movimento é para o estado de Unmani.
44: Seu corpo puro é o assento de dignidade.
45: Sua atividade é a bem-aventurança das ondas da imortalidade.
46: O éter da consciência é a grande conclusão estabelecida.
47: A instrução no mantra emancipatório resulta na eficiência dos membros do corpo e da mente para possuir o poder divino em praticar com tranqüilidade, auto-restrição, etc., e na realização da unicidade do (assim chamado) Eu superior e inferior (ou seja, Eu e ego).
48: A divindade que preside (do Taraka) é a bem-aventurança eterna da não-dualidade.
49: A observância religiosa voluntária é a restrição dos sentidos interiores.
50: Renunciando (tyaga) é o abandono do medo, ilusão, tristeza e raiva.
51: (Resultados é renunciando) a alegria da bem-aventurança na identificação do Eu superior e inferior.
52: Desenfreadamente é poder puro.
53: quando a realidade de Brahma brilha no eu há a aniquilação do mundo fenomenal, o qual está envolto pelo poder de Shiva (Maya); de igual modo a ardência da existência ou não-existência dos agregados dos corpos causal, sutil e denso.
54: Ele percebe Brahma como o próprio éter.
55: O quarto estado auspicioso é o cordão sagrado; o topete (também) é constituído por isso.
56: (Para ele) o mundo criado é consiste de consciência; (como também) o imóvel e o grupo de diversos seres.
57: Desenraizamento (o efeito do) Karma é (apenas) falar; no cemitério (Eu-Brahma), ilusão, 'qualidade de eu' e ego tem sido queimados.
58: (O Parivrajaka realizado) tem seu corpo intacto.
59: A meditação sobre a verdadeira forma que está além dos três atributos (de Sattva, Rajas e Tamas); (mesmo isso) condição (de distinção 'Eu sou Brahma') é a ilusão que deve ser aniquilada. A queimação da atitude de paixão, etc., (deve ser feito). A tanga deve ser áspera e apertada (de modo que a energia vital se mova para cima em perpetuo celibato). A pele de veado veste por muito tempo (e depois ficar despido). O mantra solto (o OM no quarto estado de turiya) é praticado por abster-se das (mundanas) ações. Conduzindo-se livremente (assim como ele chegou a um estágio em que está acima do bem e do mau, ele percebe) sua verdadeira natureza o qual é a liberação.
60: Sua conduta (de servir a um Avadhuta primário) como um navio (a cruzar o oceano mundano da vida e) alcançar o Brahma transcendente; praticando celibato até a tranqüilidade ser atingida; recebendo instrução no estágio de um estudante celibatário, ou aprendendo (a verdade) no estágio de um morador de floresta (Vanaprastha) ele (abraça) renuncia onde todo (verdade) o conhecimento é estabelecido; no final ele se torna da forma do indivisível Brahma, o eterno, o aniquilador de todas as duvidas.
61: Este Nirvanopanishad (a doutrina secreta que leva à bem-aventurança final) não deve ser dado a qualquer outro que não um discípulo ou um filho. Assim (termina) o Upanishad.

OM! Que o meu discurso seja baseado na (ou seja, de acordo com) mente;
Que minha mente seja baseada no discurso.
Oh Eu único refulgente, revele-Te para mim.
Que vocês ambos (discurso e mente) sejam os portadores do Veda para mim.
Que tudo que eu tenho ouvido não se afaste de mim.
Eu devo juntar em conjunto (ou seja, a diferença de remover) o Dia
E a noite através deste estudo.
Eu devo dizer que é verbalmente verdadeiro;
Eu devo dizer que é mentalmente verdadeiro.
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me;
Que Aquele proteja o orador (ou seja, o professor), que Aquele proteja-me;
Que Aquele proteja o orador – que Aquele proteja o orador.
OM! Haja Paz dentro de mim!
Haja Paz em meu ambiente!
Haja paz nas forças que atuam em mim!

OBSERVAÇÕES:

1) Primeiro estado: acordado – consciente – Vaishvaanara – grosseiro – A de AUM;
2) Segundo estado: transição – Unmani;
3) Terceiro estado: sonhando – inconsciente – Taijasa – Sutil – U de AUM;
4) Quarto estado: transição – Aladani;
5) Quinto estado: sono profundo – subconsciente – Prajna – Causal – M de AUM;
6) Sexto estado: samadhi;
7) Sétimo estado: Turiya – conscientemente – absoluto – silêncio após AUM.


Aqui termina o Nirvanopanishad, como contido no Rig-Veda