© Todos os Direitos Reservados. Não é permitido compartilhar o conteúdo deste Blog em outros sites. Este Blog está protegido contra cópias de seu conteúdo inteiro ou em partes. Grata pela compreensão.

9. Saubhagya Lakshmi Upanishad (Rig Veda)



9. Saubhagya Lakshmi Upanishad

Traduzido para o Inglês por
Dr. A. G. Krishna Warrier
Fonte de Consulta
Vedanta Spiritual Library
Publicado por
The Theosophical Publishing House, Chennai
Traduzido para o Português por
... uma yoginī em seva a Śrī Śiva Mahadeva ...


Karen de Witt
Brasil – RJ
Novembro/2009
___________________________

Om! O discurso está enraizado em meu pensamento (mente) e meu pensamento está enraizado em meu discurso.
Sê manifesto, patente, para mim; ser-vos dois, para mim, o prego de linchamento do Veda.
Não deixe o saber Védico se afastar de mim.
Com este saber dominado, eu junto o dia com a noite.
Eu devo falar que é correto; eu devo falar que é verdade.
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me;
Que Aquele proteja-me;
Que Aquele proteja o orador, proteja o orador.
OM! Paz! Paz! Paz!

PARTE I

1: Então os deuses disseram ao Senhor: Senhor! exponha para nós a ciência da Deusa da Prosperidade.
2: O Senhor, o Narayana primitivo, respondeu: Que assim seja. Com mentes intencionadas, todos vocês Deuses, ouçam! Com o auxílio dos quinze versos, iniciando com o verso 'hiranyavarnam' (da cor do ouro), etc., meditando nos quatro braços de Sri (a Deusa da Prosperidade), cuja forma é a Quarta, que está além da Quarta, que é suprema sobre tudo, que está presente em todos os lugares consagrados e que está envolta pelas divindades desses lugares, maiores e menores.
3: Agora, os videntes do hino em Sri composto de quinze versos são Ananda, Kardama, Chiklita e Indirasuta. Do primeiro verso, o vidente é Sri. Dos (seguintes) catorze versos, os videntes são Ananda, etc. Dos primeiros três versos, 'hiranyavarnam', etc., a métrica é Anustubh. Do verso 'Kamso'smi', a métrica é Brihati, dos dois outros Tristubh (é a métrica); dos oito próximos a métrica é Anustubh. Dos restantes, a métrica é Prastarapankti. A divindade é o Fogo, o qual é Sri. A semente é 'hiranyavarnam'. O poder é 'Kamso'smi'. A consagração dos membros é (efetuada) com as palavras hiranmaya chandra rajatasraja hiranyasraja hiranya hiranyavarna, iniciando com OM, finalizando com Namah (ou seja, saudação), e tendo os substantivos declinado no caso dativo. Próximo (seguinte) a consagração dos membros com as tríades das faces. Com os versos do Srisukta consagra-se, nesta ordem, a cabeça, os olhos, os ouvidos, o nariz, o rosto, o pescoço, os dois braços, o coração, o umbigo, [os privies], as coxas, os joelhos e as pernas.
4: Sentada no lótus imaculado
Colorido como pólen acumulado
Tendo em suas mãos de lótus
Um par de lótus e o símbolo da promessa
Do medo dissipado e bênçãos conferida;
Com coroa de jóias e ornamentos diversos
Maravilhosamente adornada – deixe Sri,
Mãe do mundo inteiro,
Promovendo nossa eterna fortuna.
5: Seu lugar: com o objetivo mantido em vista, depositado no pericarpo a semente sílaba de Sri; e nas pétala oito, pétala doze, e pétala dezesseis do lótus, a metade dos versos de Srisukta (hino em Sri); fora dele (na pétala dezesseis do lótus), (depositado) o verso 'yah sucih', etc., junto com o alfabeto (de A à La); (e fora, e em todo redor) depositado a 'semente silábica' de Sri. Além disso, desenhado os dez membros do diagrama. Em seguida, invocar a Deusa Sri.
6: Com os membros (por exemplo, 'SRAN saudação ao coração'), encerrando o primeiro (é acompanhado); como Padma, etc., encerrando o segundo; com os mantras dos Senhores do mundo, o terceiro; com aqueles suas armas, encerrando o quarto. Com o hino de Sri, invocações, etc., (deve ser feito). Dezesseis mil declarações (do hino deve ser feito).
7: Do encantamento monossilábico de Rama, a Deusa da Prosperidade, o vidente, métrica e deidade são Bhrigu, Nicird-Gayatri e Sri. O poder da semente é SAM. Os seis membros são SRIM, etc.
8: Permanecendo no lótus, lótus com olhos ,
Em sua casa, no seio de Sri Padmanabha;
Suas mãos de lótus duplamente defendem,
E garante doações e medos dissolvidos.
Brilhando como ouro polido
Banhado em águas mantidas em jarros
Pelas trombas de um par de brilhantes elefantes
Como nuvens brancas e imaculadas;
Sua coroa enfeitada com gemas agrupadas
Revestida em seda demasiadamente pura
Ungida com ungüentos doces
Que Sri possa promover nosso bem estar.
9: Sua sede: A sede de Rama (a Deusa da Prosperidade) consiste de oito pétalas, três círculos, incluindo as divisões das doze casas, e os quatro lados. No pericarpo (são inscritos) a semente do Sri, preservando o objetivo em vista. O culto dos nove poderes com as palavras 'prosperidade', 'elevação', 'gloria', 'criação', 'honra', 'humildade', 'individualidade', 'elevação' e 'bem-estar' no caso dativo, cada um tendo OM no início e Namah (saudação) no final.
10: O primeiro encerramento é feito com os membros; o segundo com Vasudeva, etc.; o terceiro com Balaki, etc.; o quarto com Indra, etc. O enunciado (do encantamento tem de ser repetido) doze vezes cem mil.
11: Sri Lakshmi, a doadora de bênçãos, a esposa de Vishnu, a doadora de bem estar, de forma dourada, e residindo no lótus. Ele segura um lótus em sua mão e ama o lótus. A pérola a adorna. Ela é a deusa da lua e a deusa do sol, é amante de folhas de bilva e é poderosa. Ela é alegria, liberação, prosperidade, acréscimo, verdade reforçada, a aragem (e o) desenvolvimento. Ela é a doadora da fortuna e a mestra da riqueza. Ela é fé, rica em prazeres, a doadora de prazeres, a defensora, a ordenadora – esses e outros termos no caso dativo, com OM no início e Namah no final, são os mantras. O assento tem oito membros com a inscrição monossilábica nele. Uns cem mil (em números) são os enunciados (dos encantamentos). A proposição é (feito com) um décimo (de cem mil). A oblação é (feita com) uma centésima parte. A gratificação do duas vezes nascido é (ganho com) uma milésima parte.
12: Adepto na ciência de Sri está reservado para aqueles que são livres de desejos; nunca para aqueles que se prendem aos desejos.

PARTE II (REFERÊNCIA AO YONI MUDRÁ)

1: Em seguida, os deuses disseram a Ele: Explique o princípio indicado pelo quarto (ou seja, o final) Maya. 'Assim seja', Ele disse:
O yoga através do yoga deve ser conhecido;
A partir do yoga, o yoga deve ser incrementado;
Quem através do yoga está sempre alerto,
De tal maneira o Yogue anseia as delícias neste lugar.
2: Desperto do sono, comendo mas pouco
Quando o alimento consumido é digerido corretamente,
À vontade estar sentado em um local isolado
Imperturbável pelas pragas, sem livre de desejos –
É esse o esforço. Além disso restringindo a respiração
E não se perdendo do caminho da prática.
3: Enchendo a boca com ar, e no assento do Fogo (em manipura)
Puxando para baixo o ar, lá prendendo,
Com os seis dedos das mãos, iniciando a partir dos polegares
Fechando os ouvidos, olhos e narinas, também,
Os yogues observam por longo tempo este caminho
A luz interior; sua mente envolta no percurso
De reflexões variadas no sagrada OM.
4: Ouvidos, boca, olhos e narinas devem forçosamente
Ser parados pelo yoga; (referência ao yoni mudrá)
Claro e sem defeito então a nota é ouvida
Na purificação do canal de Sushumna.
5: No Anahata, em seguida,
Ressonando com estranhas notas, um som é ouvido.
O corpo do yogue se torna sagrado; assim
Com esplendor preenchido e aroma celestial
Ele já não está doente;
6: Seu coração está preenchido;
Quando o espaço do coração ressoa, um Yogue ele
Se torna; rompendo o segundo nó (o nó de Vishuddhi), flui,
De uma só vez, o ar em direção à região mediana. (Anahata)
7: Posicionado no assento de lótus e outros, também,
Firmemente estabelecido o yogue deve estar.
O nó de Vishnu, em seguida, se rompe.
Delícias brotam supremas.
8: Além de Anahata, ‘a nota sem troca’,
Ergue-se o som retumbante do tambor;
Com energia, perfurando o nó de Rudra
A nota de maddala é ouvida.
9: O ar vital move sobre o Espaço Maior,
A morada segura de todas as perfeições; dali,
Ignorando o prazer da mente, o ar permeia
Todos os locais yóguicos.
10: O yoga realizado, o som todo penetrante
Tilinta e por isso é 'a sineta' distinto.
Em seguida, integrada, a mente é adorada
De sábios como Sanaka e o restante.
11: Identificando o finito com o infinito,
Os fragmentos com o Todo, deve-se meditar
Na Fonte imensa; assim a realização se estabelece
Tornando-o immortal.
12: Através da união com o Eu, evitando contato
Com outros; assim também, através da existência do Eu
É necessário opor-se ao eu oposto; assim, tornando-se
A suprema Verdade, de todas as dualidades livre,
Supremo alguém é para sempre.
13: Renúncia aos sentidos do Eu; sim,
Deste mundo, de aparência tão contrária.
Nunca mais é tristeza para o sábio,
Enraizado na Verdade transcendente.
14: Como o sal na água derrete e se funde,
Assim o eu e a mente na unidade estão homogêneos
Esta concentração é distinta.
15: Reduza a respiração e a mente se dissolve
E a Bem-aventurança homogênea é encontrada.
Esta é a concentração
16: A fusão dos eus superior e inferior
Livre de todas as imaginações,
É o modelo da concentração.
17: Libertar-se da luz do estado de vigília,
E da mente daqueles sonhos;
Libertar-se do sono que conhece nenhum outro,
Livre de tudo que causa dor;
Totalmente vazio sem reflexões –
Desta maneira é a concentração.
18: Através da visão incessantemente concentrada
Quando através do corpo não há nada;
Então o Eu sem esgotamento é percebido –
Esta, a concentração é chamada.
19: Onde quer que a mente divague,
Lá, somente lá, é a morada primeira;
Lá, somente lá, está o Supremo Brahma
Que permanece igual em toda parte.

PARTE III (REFERÊNCIA AOS CHAKRAS)

1: Próximo, os deuses disseram a Ele: Ensina-nos como discerni as nove rodas (os nove chakras). 'Assim seja igualmente', disse Ele: Na base está a roda de Brahma em forma de um círculo triplo de ondas. Naquela raiz está um poder. Deve-se meditar nele na forma do fogo. Somente lá está o assento na forma dos desejos. Ele produz os objetos de todos os desejos. Deste modo é a roda básica.
2: A segunda é a roda de Swadhisthana; ela tem seis pétalas. No centro dele está o falo voltado para o Oeste. Deve-se meditar nele como semelhante a um broto de coral. À direita dali está a 'sede da cintura’, fornecendo o poder de conquistar o mundo.
3: A terceira é a roda do umbigo, um vórtice amplo com uma forma arqueada como a de uma serpente. Meditar neste centro no ‘poder da serpente’, brilhante como um [crore] de sóis se elevando e se assemelhando a um raio. Ele tem o poder da capacidade e produz todas as perfeições. Ele é a roda (chamada) Manipuraka.
4: A roda do coração tem oito pétalas e sua face voltada para baixo. Em seu centro, no falo de luz, deve-se meditar. O símbolo (do divino Poder), aqui, é o Cisne. Ela é amada de todos e encanta todos os mundos.
5: A roda da garganta (estende-se) à largura de quatro dedos. Em sua esquerda está Ida, o nervo lunar; na direita está Pingala, o nervo solar. Em seu centro, em Sushumna de cor clara, deve-se meditar. Quem conhece deste modo, torna-se o doador da perfeição de anahata (‘a nota sem troca’).
6: A roda do palato: Lá flui o elixir imortal; a imagem do pequeno sino está no orifício de onde está suspenso ‘a paladar real’ (a úvula) a décima abertura. Deve-se meditar lá no vazio. A dissolução da mente material acontece.
7: A sétima, a roda da sobrancelha, é da medida do polegar. Lá, no olho do conhecimento, na forma de uma língua de chama, deve-se meditar. Aquela é a raiz do crânio, a roda de Ajña, o doador do poder sobre os mundos.
8: o orifício de Brahma é a roda de nirvana. Lá deve-se meditar na abertura na forma de um cordão de fumaça, mais fino que uma agulha. Lá está a sede das malhas, o produto da liberação. Portanto, ela é a roda do supremo Brahman.
9: A nona é a roda do espaço. Lá está o lótus com dezesseis pétalas, voltado para cima. Seu pericarpo no meio é da forma como o ‘triplo cume’ (o centro das sobrancelhas). Em seu centro deve-se meditar no poder se elevando, o supremo vazio. Lá, de fato, está a sede do ‘completo montado’, o instrumento de realização de todos os desejos.
10: Qualquer pessoa que constantemente estuda este Upanishad é purificado pelo fogo e pelo ar; ele vem na posse de toda riqueza, grãos, filhos bons, esposa, cavalos, terras, elefantes, animais, búfalos, assistentes femininos, yoga e conhecimento. Não mais ele retorna. Assim é esta doutrina mística.

Om! O discurso está enraizado em meu pensamento (mente) e meu pensamento está enraizado em meu discurso.
Sê manifesto, patente, para mim; ser-vos dois, para mim, o prego de linchamento do Veda.
Não deixe o saber Védico se afastar de mim.
Com este saber dominado, eu junto o dia com a noite.
Eu devo falar que é correto; eu devo falar que é verdade.
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me;
Que Aquele proteja-me;
Que Aquele proteja o orador, proteja o orador.
OM! Paz! Paz! Paz!

Aqui termina o Saubhagya-Lakshmi Upanishad, incluído no Rig-Veda