© Todos os Direitos Reservados. Não é permitido compartilhar o conteúdo deste Blog em outros sites. Este Blog está protegido contra cópias de seu conteúdo inteiro ou em partes. Grata pela compreensão.

3. Atma-Bodha Upanishad (Rig-Veda)





3. Atma-Bodha Upanishad



Traduzido para o Inglês por 

Dr. A. G. Krishna Warrier 

Fonte de Consulta 


Vedanta Spiritual Library 

Publicado por 
The Theosophical Publishing House, Chennai 


Traduzido para o Português por 



... uma yoginī em seva a Śrī Śiva Mahadeva ...


Karen de Witt

Brasil – RJ 

Novembro/2009 

________________________________ 






OM! Que o meu discurso seja baseado na (ou seja, de acordo com) mente; 


Que minha mente seja baseada no discurso.

Oh Eu, único refulgente, revele-Te para mim. 

Que vocês ambos (discurso e mente) sejam os portadores do Veda para mim. 
Que tudo que eu tenho ouvido não se afaste de mim. 
Eu devo juntar em conjunto (ou seja, a diferença de remover) o Dia 
E a noite através deste estudo. 
Eu devo dizer que é verbalmente verdadeiro; 
Eu devo dizer que é mentalmente verdadeiro. 
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me; 
Que Aquele proteja o orador (ou seja, o professor), que Aquele proteja-me; 
Que Aquele proteja o orador – que Aquele proteja o orador. 
OM! Haja Paz dentro de mim! 
Haja Paz em meu ambiente! 
Haja paz nas forças que atuam em mim! 

PARTE UM 

I – 1: O mais profundo Brahman é A, U, M – dizendo isto um Yogue torna-se livre do ciclo de nascimentos. Om, eu reverencio a Narayana, tendo Sankha, Chakra e Gada. O Upasaka vai para o Vaikuntha.
I – 2 – 4: O Brahmapura é uma flor de lótus, brilhante como um raio e uma lâmpada. O filho de Devaki é Brahmanya (um Brahman com 44 sacramentos); assim são os Madhusudana, Pundarikaksha, Vishnu e Achyuta. Narayana é o único, existente em todas as criaturas, a pessoa causal sem uma causa.
I – 5: Ninguém sofre meditando sobre Vishnu sem miséria e ilusão – não há nenhum temor; aquele que vê muitos aqui vai para a morte da morte.
I – 6 – 8: No meio do coração de lótus, Ele (Brahman) existe com conhecimento como a percepção; o mundo de conhecimento está estabelecido em Brahman. Ele, o buscador, afasta-se deste mundo com este conhecimento, obtendo todos os desejos do outro mundo, torna-se imortal. Onde naquele lugar existe sempre luz e apreço, lá a pessoa obtém imortalidade – Om Namah.

PARTE DOIS 

II – 1 – 10: Maya tem desaparecido de mim, Eu sou a visão pura; meu ego está abaixo, assim tem a diferença entre o mundo, Deus e alma. Eu sou o Eu interior, sem regras positivas e negativas; Eu sou a Bem-aventurança extensa; Eu sou a testemunha, independente, exercendo a minha grandeza; sem velhice e decadência, lados opostos, conhecimento puro, o oceano da liberação; Eu sou sutil sem quaisquer atributos.

Eu sou sem as três qualidades, todos os mundos existem na minha barriga; a consciência imutável, além da razão e da ação, Eu não tenho partes, não-nascido, realidade pura.

Eu sou o conhecimento infinito, auspicioso, indivisível, sem falhas, a realidade sem limites. Eu estou para ser conhecido pelos Agamas, atrativo para todos os mundos. Eu sou pura alegria; pureza, único, sempre brilhando; Eu tenho descoberto a Verdade mais elevada.

Eu conheço a Mim mesmo sem um outro, com distinção. Mesmo assim Escravidão e Liberação são experimentados. O mundo que parece ser real como uma serpente e corda, foi embora; somente Brahman existe como a base do mundo; portanto, o mundo não existe; como açúcar impregnado no suco da cana, Eu estou impregnado pela Bem-aventurança.

Todos os três mundos, de Brahma ao menor dos vermes foram imaginados em Mim.

No oceano há muitas coisas, da borbulha à onda; mas o oceano não deseja estes – assim também Eu não desejo por coisas do mundo; Eu sou como um homem rico não desejando a pobreza. Uma pessoa sábia abandona o veneno favorecendo Amrita. O sol que faz brilhar o pote não é destruído junto com o pote; assim também o espírito não é destruído com o corpo.

Eu não tenho nenhuma servidão nem liberação, nenhum Shastra, nenhum Guru. Eu tenho ido além de Maya – deixe a vida ir embora ou deixe a mente ser atacada – Eu não tenho nenhuma miséria como Eu sou preenchido com alegria, Eu conheço a Mim próprio; a Ignorância fugiu algures – Eu não tenho feito nem deveres, nem Kula e nem Gotra. Estes pertencem ao corpo denso, não a Mim, de formas diferentes. Fome, sede, cegueira etc., pertencem somente ao Linga-deha somente. Embotamentos, desejo, etc., pertencem somente ao Karana-deha.

Assim como para uma coruja o sol é escuridão, assim também para uma pessoa ignorante há escuridão em Brahman. Quando a visão é bloqueada por nuvens, ele pensa que não há sol. Assim como Amrita, diferente do veneno, não é afetado por seus defeitos, Eu não toco os defeitos da Inércia. Mesmo uma pequena lâmpada pode remover grandes trevas; por isso, mesmo um pouco de conhecimento destrói uma grande ignorância.

Assim como não há nenhuma serpente amarrada na corda a qualquer momento, não existem nenhum mundo sem Mim.
Mesmo praticando isso por um Muhurta (um pouco de tempo) ninguém retorna (a este mundo) 

OM! Que o meu discurso seja baseado na (ou seja, de acordo com) mente; 


Que minha mente seja baseada no discurso. 

Oh Eu único refulgente, revele-Te para mim. 

Que vocês ambos (discurso e mente) sejam os portadores do Veda para mim. 
Que tudo que eu tenho ouvido não se afaste de mim. 
Eu devo juntar em conjunto (ou seja, a diferença de remover) o Dia 
E a noite através deste estudo. 
Eu devo dizer que é verbalmente verdadeiro; 
Eu devo dizer que é mentalmente verdadeiro. 
Que Aquele (Brahma) possa proteger-me; 
Que Aquele proteja o orador (ou seja, o professor), que Aquele proteja-me; 
Que Aquele proteja o orador – que Aquele proteja o orador. 
OM! Haja Paz dentro de mim! 
Haja Paz em meu ambiente! 
Haja paz nas forças que atuam em mim! 

Aqui termina o Atmabodhopanishad, como contido no Rig-Veda