© Todos os Direitos Reservados. Não é permitido compartilhar o conteúdo deste Blog em outros sites. Este Blog está protegido contra cópias de seu conteúdo inteiro ou em partes. Grata pela compreensão.

49 - Rudra Hridaya Upanishad (Kṛṣṇa Yajur Veda)



49
Rudra Hridaya Upanishad


Traduzido por:
*
Publicado por:
* 
Traduzido para o Português por
Uma Yogini em seva a Sri Shiva Mahadeva

***
Brasil – RJ
Junho/2010
___________________________

Fonte de Consulta
Vedanta Spiritual Library


Invocação


Om! Que Ele possa proteger-nos, a ambos, juntos;
que Ele possa nutrir-nos, a ambos, juntos;
Que nos possamos trabalhar conjuntamente com a grande energia,
Que nosso estudo seja vigoroso e efetivo;
Que nós não possamos disputar mutuamente
(ou não odiarmos ninguém).
Om! Deixe haver Paz em mim!
Deixe haver Paz em meu ambiente!
Deixe haver Paz nas forças que atuam em mim!


Agora, neste momento, eu me refugio neste Estado Puro do Supremo Absoluto, que pode ser conhecido pelo Vidya, chamado Rudra Hridaya Upanishad.

Depois, prostrando diante da forma celebrada de Sri Mahadeva Rudra em seu coração, adorando o sagrado Bhasma e Rudraksha, e mentalmente recitando o grande Mahavakya Mantra, Tarasara, Sri Suka perguntou ao seu pai, Sri Vyasa Maharshi, assim:

Quem é o verdadeiro Deus dos deuses? Em quem todas essas existências estão estabelecidas? Adorando a quem eu possa agradar a todos os devas?

Ouvindo estas palavras, Sri Veda Vyasa respondeu assim:

Rudra é a personificação de todos os devas. Todos os devas são meras manifestações de Sri Rudra em Si mesmo. No lado direito de Rudra existe o sol, ali o Brahman de quatro cabeças e, então, os três Agnis (fogos). No lado esquerdo existe Sri Uma devi, e também Vishnu e Soma (lua).

Uma, Ela mesma, é a forma de Vishnu. Vishnu, Ele mesmo, é a forma da lua. Portanto, aqueles que adoram o Senhor Vishnu, adoram Siva em Si mesmo. E aqueles que adoram Siva, adoram o Senhor Vishnu na realidade. Aqueles que invejam e odeiam Sri Rudra, estão atualmente odiando Sri Vishnu. Aqueles que caluniam o Senhor Siva, caluniam Vishnu em Si mesmo. Rudra é o gerador da semente. Vishnu é o embrião da semente. Siva, em Si mesmo, é Brahma e Brahma, em Si mesmo, é Agni. Rudra é pleno de Brahma e Vishnu. O mundo todo é pleno de Agni e Soma. O gênero masculino é o Senhor Siva. O gênero feminino é Sri Bhavani Devi. Toda a criação móvel e imóvel deste universo está preenchida com Uma e Rudra. O Vyakta é Sri Uma, e o Avyakta é o Senhor Siva. A combinação de Uma e Sankara é Vishnu.

Portanto, todos devem prostrar-se a Sri Maha Vishnu com grande devoção. Ele é o Atman. Ele é o Paramatman. Ele é o Antaratman. Brahma é o Antaratman. Siva é o Paramatman. Vishnu é o Atman eterno de todo esse universo. Essa criação toda desde os Lokas de Svarga, Martya e Patala é uma grande árvore. Vishnu é a porção de cima (os ramos) desta árvore. Brahma é o tronco. A raiz é o Senhor Siva.

O efeito é Vishnu. A ação é Brahma. A causa é Siva. Para o benefício dos mundos, Rudra tem tomado estas três formas.

Rudra é o Dharma. Vishnu é o mundo. Brahma é o Conhecimento. Portanto, faça Kirtan de Seu nome, “Rudra”, “Rudra”. Pela canção disso, o nome sagrado desse grande Senhor, todos os pecados são destruídos.

Rudra é homem. Uma é mulher. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Brahma. Uma é Sarasvati. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Vishnu. Uma é Lakshmi. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Sol. Uma é sombra. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Lua. Uma é Estrala. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é dia. Uma é noite. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Yajna. Uma é Vedi. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Agni. Uma é Svaha. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Veda. Uma é Shastra. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é árvore. Uma é a trepadeira. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é aroma. Uma é flor. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é o significado. Uma é a palavra. Prostrações a Ele e a Ela. Rudra é Linga. Uma é Pitha. Prostrações a Ele e a Ela.

O devoto deve adorar a Sri Rudra e a Uma com esses Mantras referidos acima. Oh, meu filho Suka! Com esses hinos você deve meditar no Para-Brahman Eterno, que está além do alcance dos sentidos, que é Existência pura, conhecimento e Bem-aventurança, e que não pode ser compreendido nem pelo discurso, nem pela mente. Depois de conhecer isso, nada mais existe para ser conhecido, porque todas as coisas são da forma Daquele, e nada mais existe separado Daquele.

Existem dois Vidyas para ser conhecido. Eles são Para e Apara. Apara Vidya é a personificação dos quatro Vedas e de seus seis Angas. Eles não lidam com a natureza do Atman. Mas o Para Vidya é chamado de Moksha-Shastra. Ele lida com a suprema filosofia da Verdade Absoluta, incompreensível, impessoal, Nirguna (sem forma) Nirakara, sem ouvidos, sem olhos, sem mãos, sem pés, eterno, onipresente, imperecível, e cognoscível pela inteligência dos sábios audazes.

Desse Senhor Siva que realiza uma terrível penitência na forma do Supremo Jnana-Marga, esse mundo inteiro é criado qual alimento dos mortais. Esse mundo é Maya. Ele se assemelha como a um sonho. Ele é superposto no Senhor como uma corda em uma serpente. Ele é a Verdade eterna. Não existe criação na realidade. Tudo é absoluto. Tudo é Verdade. Conhecendo isso, alcança-se a liberação de uma só vez.

Somente através de Jnana você pode se livrar desse Samsara. Somente através de Jnana você pode compreender essa existência e nunca através do Karma. Compreender isso através da orientação de um Brahmanishtha-Srotriya Guru. O Guru dará ao discípulo todo o conhecimento necessário de Brahman, o Absoluto. Ao cortar o cativeiro de Ajnana, ou Avidya (ignorância), deve-se tomar refúgio no Senhor Sadasiva. Essa é a verdadeira sabedoria para ser compreendido por um aspirante que busca a Verdade.

O Pranava é o arco. O Atman é a seta. O Para-Brahman é o alvo. Assim como a flecha, o Atman irá tornar-se um com Brahman.

Mas de todos esses três, o arco, a flecha e o alvo não são diferentes de Sadasiva. Não há brilho nos corpos do sol, da lua ou das estrelas. Não há sopro no vento, não existe quaisquer Devatas. Somente Ele, o Único Senhor, existe. Ele sozinho, a Pureza das purezas, brilha para todo o sempre.

Existem dois pássaros nesse corpo, o Jiva e o Paramatman. O Jiva se alimenta dos frutos de seus Karmas, mas o Paramatman é intocado por qualquer coisa. O Paramatman é somente o Sakshi. Ele não faz qualquer coisa. Ele assume somente a forma do Jiva através de Sua Maya, assim como o Akasa dentro de um pote parece ser diferente do Akasa de fora, e assuma a forma do pote. Na realidade, tudo é Siva, Advaita, o Único Absoluto. Não existe diferença de qualquer outra espécie.

Quando tudo é compreendido como sendo Único, Omkara, o Absoluto, não há nenhuma tristeza, não existe nem Maya. Então, a realização do Advaita-Paramananda é muito fácil. Pense que você é a base de todo esse universo, você é Único, Kevala, Sat-Chit-Ghana. Todas as pessoas não podem compreender essa Verdade. Aqueles desprovidos de Maya podem conhecer esse segredo. Depois de conhecer isso, o Atman não declina, em qualquer lugar, a qualquer tempo. Ele se torna um com o Absoluto, assim como Ghatakasa com Paramakasa. Assim como o Akasa não se move em qualquer lugar, semelhantemente esse Atman não tem qualquer movimento. Ele se torna um com o Om.

Quem conhece essa grande e secreta Verdade é o verdadeiro Muni. Ele se torna o Para-Brahman em Si mesmo. Ele se torna Satchidananda. Ele alcança a paz permanente.


Invocação


Om! Que Ele possa proteger-nos, a ambos, juntos;
que Ele possa nutrir-nos, a ambos, juntos;
Que nos possamos trabalhar conjuntamente com a grande energia,
Que nosso estudo seja vigoroso e efetivo;
Que nós não possamos disputar mutuamente
(ou não odiarmos ninguém).
Om! Deixe haver Paz em mim!
Deixe haver Paz em meu ambiente!
Deixe haver Paz nas forças que atuam em mim!


Aqui termina o Rudra-Hridayopanishad pertencente ao Krishna-Yajur-Veda.